Quatro dias com você.

Faltando quinze minutos para o meio-dia, o telefone toca inesperadamente.

– Alô?

– Oi, Guto. Tudo bem? Aqui é o César, cara. Liguei porque estou precisando muito conversar com você. Sei que anda cabisbaixo devido o que aconteceu…

– Oi, mano! Tudo certo por aqui. Sabe, César, eu superei tudo aquilo. A Isa já começou a namorar aquele rapaz. O tempo passou e eu esqueci.

– Sério, você já esqueceu? Cara, minha mãe dizia que quando esquecemos rápido é porque nunca foi amor de verdade. Ela falava que quando é do fundo do coração não é facilmente apagado.

– Nossa, que melancolia. Você está parecendo uma conselheira amorosa – falou Guto aos risos.

– Vem aqui na minha casa. Tem uma galera aqui. Meus parentes chegaram de outro estado e você vai gostar muito de conhecê-los. – disse César com muita vontade de fazer o amigo sair de casa.

– Beleza, estou indo!

Saiu Guto para encontrar o amigo e ao chegar no portão da casa de César, viu de longe aquela moça de cabelos loiros e, que de imediato o cumprimentou.

– Oi, tudo bem? Me chamo Clara e estou passando uns dias aqui na casa do meu primo. Você está procurando alguém? – Clara mal conseguia falar, o sorriso nos seus lábios só fazia sobrepujar o que dizia.

– Sim, sou amigo do César. Ele, é… está aí? – Guto hesitou ao falar. Parecia que o mundo parou naquele momento.

– Ele está sim, pode entrar.

Guto encontrou com César e agradeceu pela ajuda que recebeu durante o término do noivado. Sua noiva o traiu meses antes do casamento.

– Oi, cara. Obrigado por tudo. Se não fosse sua ajuda eu não teria suportado tudo que passei.

– Amigos são para todos os momentos. Pode contar comigo para qualquer coisa. Mas olha, vamos aproveitar. Almoça conosco hoje? Aproveita e conhece o pessoal, são todos legais.

– É, eu conheci uma moça na entrada da sua casa. Qual o nome dela mesmo? Hum… Clara, não é? Aqui entre nós, ela é tão linda.

– Linda e muito inteligente. Ela passou por situações parecidas com as que você viveu. Porém, só irá passar mais 4 dias aqui. Agora ela está na varanda, provavelmente ouvindo músicas. Por que você não vai lá falar com ela? Com certeza terão como ajudar um ao outro com suas experiências.

– O que vou dizer? Ah, mas mesmo assim eu vou lá falar com ela, chega de timidez, não é mesmo? – disse o jovem rapaz com muita coragem.

Ao chegar na varanda, Guto percebeu que Clara estava lendo um livro, e por sinal, o que ele mais gostava de ler quando era pequeno.

– Clara, eu amo esse livro. Você não imagina como será o final… – os dois deram muitas risadas nesse momento.

– Eu imagino sim! Essa é a terceira vez que estou lendo. Amo Shakespeare.

– Uau, estou surpreso. Soube que está indo embora em quatro dias, não é? Pensei que poderíamos fazer algumas coisas juntos. Se quiser posso te apresentar a cidade. O que acha?

– Claro! Eu estava pensando em sair, mas meu primo está ocupado demais com a namorada dele. Quando podemos ir?

– Hoje mesmo e que tal fazermos uma agenda do que podemos fazer nesses quatro dias?

– Que tal você fazer essa agenda? – disse Clara com muita empolgação.

– Tudo bem, hoje mesmo iremos ao cinema. Passo aqui para lhe buscar às 17h. Pode ser?

– Certo. Combinado. Mas não atrasa porque não quero perder nenhum minuto.

Guto chegou dez minutos antes e a levou ao cinema local. O carro do rapaz quebrou, eles pegaram um ônibus e chegaram no momento que o filme estava começando. Após terem tomado muito sorvete, ele a levou para casa.

Todos os minutos foram únicos. E como era de esperar, no outro dia lá estava o jovem para buscá-la. Eles foram à praia e conversaram muito à beira mar. Nesse dia falaram sobre suas decepções amorosas, comidas favoritas e muitas outras coisas…

– Clara, você gosta de coisas bobas. Eu amo tudo isso… nem todas as pessoas valorizam o que me contou – Guto falou com os olhos brilhando de tamanha emoção.

– Na verdade eu estava esquecendo essas coisas. Mas você me fez lembrar. Falando em lembrar de alguma coisa, está na hora de me deixar em casa.

Eles foram embora e Guto contava os minutos para sair com Clara no outro dia.

No terceiro dia, eles decidiram jantar na casa de Guto. Quando Clara chegou, todos na casa dele olhavam intensamente para a bela moça.

– Prazer conhecer você, Clara. Onde você mora? Está gostando da cidade? Olha, o Guto fala muito de você e aqui todos estávamos ansiosos para conhecê-la – com semblante de muita alegria falou a mãe de Guto.

– Não moro aqui, senhora. Logo estarei voltando para o meu estado. Mas muito obrigada pela cordialidade. Vocês são muito gentis.

Após o jantar, ele a deixou em casa. Antes de Clara entrar, Guto a olhou nos olhos e disse: “Você não imagina o quanto estou esperando o dia de amanhã…”.

– Nos veremos. Foi um prazer conhecer sua família. Independente de qualquer coisa, promete não me esquecer?

– Sim, eu prometo. Boa noite, Clara.

No dia seguinte, Guto foi encontrar Clara no mesmo horário. Como ele sabia que seria o último encontro, preparou flores e chocolates para presenteá-la. Ao chegar no portão, tocou a campanhia e ficou surpreso quando viu o César vindo atendê-lo.

– Oi, Cara! Tudo bem? Cadê a Clara? Iremos sair.

– Mano, a Clara foi embora cedo. Aconteceram alguns problemas com a família dela e teve de sair às pressas. Mas espera, parece que ela deixou uma coisa pra você.

Naquele momento passaram milhares de hipóteses na cabeça de Guto. O que levou Clara a ir sem se despedir? Não, ela poderia ter me ligado. Mas tudo bem, ela já foi embora…

– Aqui está, Guto. Ela deixou essa carta para eu entregar a você. Não sei quando ela vem novamente. Você quer entrar?

– Não, não. Vou indo agora.

– Onde você vai, Guto?

– Ia levar a Clara no esconderijo dos patos. Lembra daquela praça com o Lago dos Patos? Nunca esqueço de quando íamos brincar naquele lugar. Sei que é o nosso clube secreto, mas iria mostrar para sua prima.

– Nossa, sério? Faz muito tempo que não vou naquele lugar. Sei o quanto aquele lago significa pra você. Vou te deixar ir então… até mais, amigo.

Guto foi para o lugar onde iria levar Clara e ao chegar abriu a carta… no primeiro parágrafo Clara agradeceu por aqueles três dias. Ela declarou: “Esses dias foram incríveis!”. Ele chorava ao chegar em cada linha. O último parágrafo foi o mais emocionante para ele… ela disse: “Meu querido, muito obrigada por me trazer de volta o sorriso, a alegria de viver que eu não sentia há muito tempo. Você é diferente de todas as outras pessoas que conheci até hoje. Eu tinha muitas dúvidas sobre o amor, e você esclareceu todas elas. O amor verdadeiro está nos pequenos gestos, nas coisas simples, nos barulhos que às vezes incomodam, mas eles simplesmente estão ali. Quando eu pensava que coisas lindas não poderiam mais existir na minha vida, aí veio você. Você superou todas as minhas expectativas. Não sei quando volto, mas repito o que eu disse: Não me esquece… com amor, Clara.”

E desde aquele dia, como prometido, Guto nunca mais a esqueceu. Ela é lembrada todos os dias por ele. Não se sabe quando irá vê-la novamente, se um dia ficarão juntos, se aqueles dias às 17h irão voltar, se o quarto dia chegará… mas ele fielmente não descumpriu com a promessa de lembrar dela. Em nenhum momento Guto se arrependeu do que fez nos três dias. Ele sabe que fez o suficiente para ser eterno.

O amor chegou? Não sabemos ao certo. Mas ele se apresentou aos dois, isso não se pode negar.

Fotografia: Charlie Foster

@charliefoster

Um comentário sobre “Quatro dias com você.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s